Bayern de Munique demite treinador acusado de racismo

O Bayern de Munique, que enfrenta o Lyon nesta quarta-feira (19) pelas semifinais da Liga dos Campeões, demitiu um de seus técnicos das categorias de base, acusado de comentários racistas, em um caso que mereceu a abertura de inquérito policial.
O contrato foi rescindido “amigavelmente” entre o clube e este treinador, cujo nome não foi divulgado, segundo o comunicado do Bayern.

“Este é o primeiro resultado de uma investigação interna em andamento no centro de treinamento de jovens do Bayern”, destacou a instituição, sugerindo que novas medidas podem ser tomadas no futuro.

O presidente do Bayern, Karl-Heinz Rummenigge, declarou-se “furioso” dias atrás após descobrir o caso, revelado pela televisão pública alemã ARD.
A emissora apresentou comentários com conotações racistas feitos na internet por um técnico de uma de suas equipes de base, cujo nome não foi divulgado, e reclamações dos pais dos jovens jogadores.
A princípio, o treinador garantiu que esses trechos eram falsos, antes de admitir que ele era o autor dessas mensagens, segundo a imprensa.

O profissional trabalhava no Bayern desde 2003 e a partir de 2016 assumiu a direção das categorias sub-9 a sub-15, relatou o semanário Der Spiegel, acrescentando que o demitido fez comentários discriminatórios sobre questões de “cor da pele, nacionalidade, religião” e contra a homossexualidade em geral.
Essas declarações “não correspondem de forma alguma aos valores que o clube defende”, destacou Rummenigge na semana passada, após o início de uma investigação pela polícia de Munique.
O caso é ainda mais incômodo para o Bayern, porque a equipe da Baviera gosta de projetar uma imagem de clube consciente do racismo e de todas as formas de discriminação.
Em junho, logo após a morte nos Estados Unidos de George Floyd, um homem negro que foi sufocado por um policial, toda a equipe de Munique fez os trabalhos de aquecimento antes de uma partida vestindo camisetas com o slogan ‘Black Lives Matter’ e a frase “cartão vermelho para o racismo”.
A própria história do time está ligada à discriminação. Fundado por judeus alemães em 1900, o Bayern foi “arianizado” com o início do regime nazista de Adolph  Hitler em 1933, que expulsou todos os dirigentes e jogadores de futebol judeus.
Considerado pelos nazistas “o clube dos judeus”, o Bayern entrou em declínio durante a guerra e teve que esperar duas décadas após o segundo conflito mundial para se tornar um time destaque na Alemanha.

Foto: AFP