Biden promete resposta militar se China atacar Taiwan

Joe Biden promete resposta a China | Foto: Reprodução

O presidente americano Joe Biden disse que os Estados Unidos estão dispostos a responder “militarmente” se a China intervir em Taiwan com uso de força. “Esse é o compromisso que assumimos”, afirmou nesta segunda-feira (23) a jornalistas em Tóquio.

Biden fez a declaração durante uma entrevista coletiva com o primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida. “Nós concordamos com a política de Uma China. Aderimos a ela, e todos os acordos resultantes feitos a partir daí, mas a ideia de que Taiwan pode ser tomada à força, é (simplesmente não) apropriada”.

Em 2021, o presidente norte-americano fez declarações semelhantes, mas a Casa Branca interviu e afirmou que a política de longa data dos EUA não mudou em relação à ilha.

Os Estados Unidos fornecem armas defensivas a Taiwan, mas permanecem intencionalmente incertos sobre uma possível intervenção militar no caso de um ataque chinês.

Sob a política “Uma China”, os EUA reconhecem a posição chinesa de que Taiwan é parte da China, mas nunca reconheceram oficialmente a reivindicação de Pequim à ilha de 23 milhões de habitantes.

Pequim enviou, nas últimas semanas, dezenas de aviões de guerra para a Zona de Identificação de Defesa Aérea de Taiwan, e o líder chinês disse que a “reunificação” entre China e Taiwan é inevitável, se recusando a descartar o uso da força.

Biden comparou uma suposta invasão em Taiwan pela China com a invasão da Ucrânia pela Rússia no início deste ano, alertando: “Isso deslocará toda a região”. Ele também enfatizou que “a Rússia tem que pagar um preço de longo prazo por suas ações”.

Biden disse que a China “já está flertando com o perigo agora, voando tão perto e com todas as manobras que está realizando”.