Ceará possui a maior empresa produtora de Arla 32 do Norte/Nordeste; mercado movimenta mais de R$ 2 bi ao ano, no Brasil

Grupo Ipê Quimica, pioneiro na produção de Arla 32 | Foto: Divulgação

Com um desenho estrutural portuário e industrial privilegiado, o Ceará vem, a cada dia, tendo mais relevância no cenário nacional. O Grupo Ipê Quimica, pioneiro na produção de Arla 32, provê toda a demanda do Estado do Ceará e é o maior fornecedor do Norte/Nordeste de Arla 32, consolidando-se como uma das maiores empresas do Brasil neste segmento.

“O Ceará se posiciona como grande player no mercado nacional de Arla 32. O pioneirismo e a experiência do grupo Ipê Quimica garante o suprimento de toda a frota do Estado, atendendo também Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Maranhão, Tocantins, chegando até o Pará”, informa João Paulo Studart, sócio-diretor da Ipê Quimica.

Sobre o suprimento e o escoamento da produção, explica Nonato Prado Filho, também sócio-diretor da empresa:
“O Ceará possui dois portos em operação, o que contribui para uma maior eficiência logística, considerando que, nos últimos anos, com a paralisação das fábricas de fertilizantes da Petrobras, toda a ureia do país passou a ser importada, e a Ipê garantiu o suprimento de Arla 32, a nível Norte e Nordeste do Brasil, com toda a matéria-prima importada pelo Porto do Pecém”.

Arla 32

O Arla 32 é uma substância que atua para reduzir os impactos ambientais causados pela emissão de gases poluentes liberados na combustão em veículos que utilizam diesel. O nome diz respeito à sigla para Agente Redutor Líquido Automotivo, que contém 32,5% de ureia de alta pureza, conhecida também como ureia técnica.

Desde 2012, todos os veículos pesados, como caminhões e ônibus, são obrigados a saírem de fábrica com uma solução para redução de gases poluentes. O sistema de Redução Catalítica Seletiva (SCR), que utiliza o Arla 32, tem sido o sistema mais eficiente e economicamente viável para cumprir a norma criada pelo Programa de Controle de Emissões Veicular, Proconve, célula do Conselho Nacional do Meio Ambiente, Conama.

A ureia de alta pureza atua dentro do catalisador dos veículos que possuem SCR, sendo fundamental na diminuição da emissão dos poluentes, reduzindo seus efeitos que causam doenças respiratórias e contribuindo para preservação da camada de ozônio.

Relevância econômica

Apesar de ser definido pelo fabricante do veículo, o padrão para utilização de Arla 32 é de 3% a 5% do volume total de diesel, o que, atualmente, movimenta em torno de 700 milhões de litros de produto, equivalente, hoje em dia, a um montante aproximado de R$ 1,5 bilhão por ano.

“A Ipê Quimica preza pela qualidade e rastreabilidade do produto de ponta a ponta. Por isso, é reconhecida pelas maiores companhias de combustíveis do Brasil, as quais passaram a terceirizar com a Ipê toda a fabricação e a distribuição de Arla 32 aos seus postos revendedores, em suas respectivas marcas”, pontua.

A consciência ambiental tem avançado para aplicação em veículos leves e se mostrado um bom negócio também para carros de passeio que utilizam óleo diesel. Modelos como Jeep Compass e Fiat Toro já têm essa tecnologia.

“Até o final de 2022, o mercado do Arla tende a crescer 20% com a renovação da frota que estamos vivenciando no momento. Se pensarmos nos próximos 5 anos, estima-se que esse mercado venha a crescer 200%”, finaliza o empresário.