China convoca embaixador dos EUA para falar sobre visita de Pelosi a Taiwan

Vice-ministro das Relações Exteriores da China, Xie Feng, convocou com urgência o embaixador dos EUA | Foto: Reprodução

O vice-ministro das Relações Exteriores da China,  Xie Feng, convocou com urgência o embaixador dos Estados Unidos no país, Nicholas Burns, nesta terça-feira (2), e apresentou representações severas e fortes protestos sobre a visita da presidente da Câmara dos Deputados dos Estados Unidos, Nancy Pelosi, à Taiwan. 

Feng disse que Pelosi corre o risco de ser condenada universalmente por “provocar e brincar deliberadamente com fogo”. Disse ainda que a visita dela é uma grave violação do princípio de “uma só China” e dos três comunicados conjuntos China-EUA. 

Para o vice-ministro, a situação provoca um impacto severo na base política das relações entre China e EUA e infringe seriamente a soberania e a integridade territorial da China. 

Feng condenou a visita por considerar que ela mina gravemente a paz e a estabilidade em todo o Estreito de Taiwan, enviando um sinal seriamente errado aos separatistas de força para a “independência de Taiwan”. “A medida é extremamente notória por natureza e as consequências são extremamente sérias. A China não ficará de braços cruzados”, declarou. 

“Taiwan é a Taiwan da China, e Taiwan eventualmente retornará ao abraço da pátria. O povo chinês não tem medo de fantasmas, pressão e maldade”, disse.

O vice-ministro chinês pediu que o país resolva imediatamente a situação, tomando medidas práticas para desfazer os efeitos adversos causados ​​pela visita de Pelosi a Taiwan. 

Após a chegada da líder da Câmara a Taipé na terça-feira (2), os militares da China disseram que iniciariam exercícios em torno de Taiwan e lançariam uma série de “operações militares direcionadas para neutralizar a situação”, segundo declarações do Comando Oriental da China e do Ministério da Defesa.