China nega acusações de tentar endividar a África

Mombaça (Quênia) (AFP) – A China não está endividando a África, disse o ministro chinês das Relações Exteriores, Wang Yi, no Quênia, durante uma viagem regional que inclui visitas a vários projetos de infraestrutura financiados por seu país. Em Mombaça, no Quênia, onde a China está financiando a construção de um novo terminal no maior porto da África Oriental, Wang disse que os empréstimos para esses projetos são “mutuamente benéficos”, rejeitando a ideia de uma armadilha. A pressão por meio de empréstimos “é uma narrativa criada por aqueles que não querem ver a África se desenvolver”, disse ele a repórteres. “Se há uma armadilha é a pobreza e o subdesenvolvimento”, frisou. A visita de Wang ocorre depois que o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, visitou o continente em novembro, em uma viagem destinada, em parte, a conter a crescente influência de Pequim no continente. A China é o maior parceiro comercial da África, com comércio direto de mais de US$ 200 bilhões em 2019, de acordo com dados oficiais chineses. Mas a China é frequentemente acusada de usar sua condição de credora para obter concessões diplomáticas e comerciais.- Rotas da Seda -A China se tornou o segundo maior credor do Quênia, depois do Banco Mundial, e financiou caros projetos de infraestrutura em um país onde o endividamento disparou nos últimos anos. Em Mombaça, a construção do novo terminal representa um investimento de 353 milhões de dólares. Pequim também financiou a infraestrutura mais cara desde a independência do Quênia, uma linha de trem de US$ 5 bilhões. Durante uma visita ao Quênia em janeiro de 2020, Wang descreveu a linha como uma “referência” para as Novas Rotas da Seda, uma iniciativa chinesa que financia projetos de infraestrutura. O analista econômico e geopolítico Alikhan Satchu disse à AFP que o Quênia está submetido a altas taxas de juros para financiar investimentos que “não gerarão retornos no futuro próximo”. O ministro chinês se reuniu com vários ministros do país afircano nesta quinta-feira e assinou acordos de comércio, saúde, segurança e transferência de tecnologia verde. Ele também está planejando conversas com o presidente Uhuru Kenyatta.”A visita é uma prova do aprofundamento das relações bilaterais”, disse a ministra das Relações Exteriores do Quênia, Raychelle Omamo. Wang anunciou ainda a nomeação de um enviado especial da China para o Chifre da África, marcando a vontade do seu país de se envolver diplomaticamente nesta região, que fica muito próxima da Península Arábica e é cenário de diversos conflitos. “Continuaremos a desempenhar um papel ainda mais importante na manutenção da paz e estabilidade na região”, disse Wang em mandarim, traduzido por um intérprete. O anúncio coincidiu com a chegada do enviado especial dos Estados Unidos ao Chifre da África, Jeffrey Feltman, que deve viajar para a Etiópia nesta quinta-feira, país vizinho do Quênia e abalado há mais de um ano pela guerra entre o Exército federal e os rebeldes da região do Tigré.