Eduardo Girão é o senador da CPI que menos gastou com reembolso; Omar Aziz foi a cota mais alta com R$ 352 mil reais

A CPI da Pandemia conta com 18 senadores integrantes, incluindo 7 suplentes, que durante as sessões da comissão criticam o uso abusivo de dinheiro público, porém, os mesmos gastaram R$3,72 milhões com a chamada “cota parlamentar”, apenas este ano. O “cotão” permite que os parlamentares obtenham o ressarcimento de quaisquer despesas. O valor inclui apenas os reembolsos de gastos alegadamente ligados à atividade parlamentar.

Confira quem gastou mais e quem usou menos verba:

Quem gastou mais?

Dois senadores que respondem por quase 20% dos reembolsos: Omar Aziz (PSD-AM) com R$ 352 mil e Rogério Carvalho (PT-SE) com R$ 321 mil. 

O senador Rogério Carvalho tem 68 assessores, contrastando com Reguffe (Pode-DF), campeão de austeridade, que tem 9, e não pediu “ressarcimento”.

Quem gastou menos?

O senador Eduardo Girão (Pode-CE) foi o parlamentar que menos usou a cota: gastou R$3,5 mil. Bem menos que o 2º colocado, Flávio Bolsonaro (Patri-RJ), com R$60 mil.

Os membros da CPI da Pandemia dispõem de diversos assessores: de 669, mas todos os senadores têm gabinetes em Brasília e em seus Estados.