Espanhóis se dividem entre resignação e aprovação de máscaras ao ar livre

Madri (AFP) – É uma “medida maravilhosa”, elogia Amadeus García no centro de Madri, um dia após o anúncio do retorno da máscara obrigatória ao ar livre na Espanha, uma decisão aprovada por alguns e vista com resignação por outros, em plena nova onda de casos de covid-19.No centro de Madri enfeitado para o Natal nesta manhã de quinta-feira (23), alguns rostos apareciam sem máscaras, geralmente de turistas, ciclistas ou fumantes. Mas a maioria das pessoas usava máscara, mesmo um dia antes da entrada em vigor da nova medida, na sexta-feira.Para Amadeus García, um senhor de 82 anos que passeia pela Porta do Sol com uma máscara PFF2, a nova medida é “maravilhosa”, já que apoia “tudo o que for proteção” contra a covid-19.Sobre as dúvidas de certos especialistas quanto à eficácia das máscaras em ambientes abertos, Amadeus exclama: “Há negacionistas em todos os lugares”.Na entrada de uma estação de metrô, Aida García, advogada de 28 anos, diz que para ela é o “último dia de liberdade”.”É muito incômodo, mas acredito que é necessário”, afirma, destacando que o uso da máscara não deve fazer esquecer das outras recomendações para prevenir a covid. Ela afirma que a partir de amanhã vai respeitar a norma, a qual considera “uma medida de Natal” e espera que em fevereiro as autoridades “voltem a nos deixar livres”.Begoña Gómez, de 61 anos, caminha de mãos dadas com sua filha Cristina Blanco, de 23. Quando alguém se aproxima, elas reajustam a máscara que está no queixo.Para as duas, é “inútil” usá-la ao ar livre. “As pessoas têm senso comum, todos já sabemos como agir se não há ninguém (na rua) ou se for preciso se proteger”, explica Begoña.Em Barcelona (nordeste), a segunda cidade da Espanha, Lorena Ramos, uma enfermeira de 34 anos, compartilha dessa opinão: “Devido ao tempo que levamos de pandemia, já deveríamos ser suficientemente cívicos e adultos para saber o uso da máscara quando há uma aglomeração de pessoas”.Alberto Díaz, fotógrafo de 34 anos, diz que trata-se de uma “medida de dissuasão para controlar o Natal de alguma forma, como uma medida para mostrar que estão fazendo algo”.Ao anunciar a disposição na quarta-feira, o presidente do governo Pedro Sánchez destacou o consenso sobre esta medida, exigida pela maioria das regiões espanholas, competentes em questão de saúde pública, devido à expansão da ômicron.”A experiência nos mostrou que, junto com a vacinação, a máscara é fundamental para prevenir a curva de casos”, disse Sánchez.