Fiocruz e Lacen-GO encontram novo genótipo do vírus da dengue no Brasil

Genótipo do vírus da dengue no Brasil - Foto: Reprodução

Pela primeira vez, pesquisadores da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e do Lacen-GO (Laboratório Central de Saúde Pública de Goiás) detectaram, pela primeira vez, um genótipo cosmopolita (linhagem) do sorotipo 2 do vírus da dengue no Brasil.

A descoberta, liderada pelo Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) em parceria com o Laboratório Central de Saúde Pública de Goiás (Lacen-GO), foi comunicada primeiramente às secretarias municipal e estadual de Saúde e ao Ministério da Saúde. 

A nível de informação à comunidade científica, um artigo foi publicado na plataforma de pré-print medRxiv, que permite a divulgação rápida de resultados, antes do processo de revisão por pares. O trabalho também foi submetido para publicação em revista científica e atualmente se encontra em fase de revisão.

O vírus da dengue possui quatro sorotipos, nomeados como 1, 2, 3 e 4, e cada sorotipo pode ser subdividido em diferentes genótipos (também chamados de linhagens), devido à presença de variações genéticas. O genótipo cosmopolita é uma das seis linhagens do sorotipo 2 do patógeno.

Para os pesquisadores, a chegada dessa cepa ao Brasil preocupa, porque existe a possibilidade de ela se disseminar de forma mais eficiente do que a linhagem asiático-americana, também conhecida como genótipo 3 do sorotipo 2, que atualmente circula no país.

As principais recomendações para conter a disseminação da dengue, está a eliminação de depósitos de água parada, que podem se tornar criadouros do mosquito Aedes aegypti.