Fortaleza é a capital com a maior taxa de mortalidade por Covid-19; pesquisador aponta dificuldade em cumprir isolamento

Fortaleza é a capital com a maior taxa de mortalidade por Covid-19 no Brasil. São 138,2 mortes para cada 100 mil habitantes – considerando todo o território nacional, esse índice é de 46,9, segundo o Ministério da Saúde. Dos 100 mil óbitos provocados pela doença no país, 3,7 mil foram registrados na cidade.
Além disso, a taxa de letalidade em Fortaleza é de 8,6%, ou seja, de cada 100 pessoas que contraem a doença, 8,6 morrem. A taxa é mais que o dobro da brasileira, de 3,4%, conforme o Ministério da Saúde.

O pesquisador Antônio Lima Neto, gerente de epidemiologia da Secretaria Municipal da Saúde, atribui a alta mortalidade na capital cearense a dois fatores:

  • maior taxa de “ataque” da doença nos bairros periféricos, onde houve dificuldade no isolamento social;
  • problemas na aquisição de insumos hospitalares, principalmente ventiladores mecânicos, durante o pico de disseminação da doença.

“Tivemos a entrada de uma cepa do Sars-Cov-2 restrita ao Ceará, que tem a hipótese de ser mais agressiva”, acrescenta o pesquisador.
Devido à doença, as aulas presenciais, funcionamento de bares e eventos como festas e shows seguem suspensos. A maior parte das atividades comerciais está liberada, desde que os responsáveis sigam um protocolo de segurança sanitária como o distanciamento social e fornecimento de álcool gel. O horário dos setores econômicos também está reduzido.
Na noite de 15 de março a Secretaria Estadual da Saúde (Sesa) comunicou os três primeiros casos positivos na cidade: dois homens e uma mulher que haviam viajado ao exterior estavam infectados. Quase cinco meses depois, a capital cearense acumula quase 43 mil casos, de acordo com a plataforma IntegraSUS.
A taxa de contágio da doença, no entanto, está desacelerando na cidade. Desde maio, o auge da pandemia em Fortaleza, a média móvel de óbitos caiu de mais de 90 mortes por dia para duas, em agosto.
Para a secretária da Saúde de Fortaleza, a médica Joana Maciel, a pior fase da pandemia na cidade passou, e o cenário atual da doença é de “baixa circulação viral”.
O alerta da secretária, no entanto, é de que a “pandemia não acabou”, e a população precisa manter o distanciamento social.

Fonte: G1
Foto: Reprodução/Internet