História do povo negro no Ceará e racismo religioso são tema da formação em Relações Étnico Raciais

População negra e Povos e Comunidades Tradicionais do Ceará são o tema do terceiro módulo da formação em Relações Étnico Raciais na Sociedade Brasileira e Cearense, que a Secretaria da Proteção Social, Justiça, Cidadania, Mulheres e Direitos Humanos (SPS) vem promovendo neste mês, em celebração ao Novembro Negro. A aula será transmitida às 14h, desta terça-feira (10), pelo canal Youtube SPS Ceará.
“Se há negros no Ceará, também há a cultura negra no Estado. E isso precisamos divulgar, mas não apenas em novembro. (Combate ao) racismo é um tema que deveria estar na agenda política brasileira, todos os dias”, observa o professor e ativista do Movimento Grupo de União e Consciência Negra (Grucon), Hilário Ferreira. Com ele, também estará a educadora popular e membra da Rede de Historiadoras e Historiadores Negras e Negros do Ceará, Cícera Barbosa.
“Este momento é mais uma boa oportunidade para apresentarmos as riquezas culturais dos povos quilombolas, dialogarmos sobre os avanços políticos e o quanto ainda temos que alcançar”, acrescenta a assessora da Coordenação Estadual das Comunidades Quilombolas do Ceará (Cerqui-CE) e membra da Associação dos Remanescentes de Quilombo de Alto Alegre e Adjacências (Arqua), Tatiana Ramalho.
Tatiana Ramalho adianta que tratar sobre os pontos fortes e em comuns entre grupos de quilombolas do Ceará, a partir de uma leitura do sentimento de pertencimento e autoconhecimento. “O Novembro Negro nos dá mais uma oportunidade de fortalecermos o protagonismo da nossa própria história, embora essa seja uma luta diária, na defesa de nossas conquistas e na busca constante de melhorias para nossas comunidades”, acrescenta.
Leno Farias, presidente do Conselho Estadual de Promoção da Igualdade Racial (Coepir-CE), traz à discussão a temática do racismo religioso. “Precisamos dialogar, dar formação e informação para diluirmos estereótipos que fortalecem a exclusão das diferenças em nossa sociedade”, alerta Farias.

Foto: Reprodução/ Segue Viagem