Hong Kong (AFP) – Quando a polícia de segurança nacional de Hong Kong bateu na porta do jornalista Ronson Chan de madrugada mês passado, ele não se surpreendeu, mas sentiu o corpo tremer.A crescente repressão nesta cidade teoricamente semiautônoma da China silenciou e encarcerou a maioria dos ativistas pró-democracia. Agora o alvo começa a ser a imprensa.Chan sabia que era um alvo como presidente da Associação de Jornalistas de Hong Kong e editor do jornal digital independente e financiado por leitores Stand News.”Estava preparado mentalmente”, disse à AFP. Mas “quando me mostraram o mandado de busca, eu tremi”.Chan usou o celular para transmitir ao vivo seu diálogo com os agentes, até que o ordenaram parar. Foi o último exercício de jornalismo da Stand News.O veículo fechou mais tarde nesse mesmo dia, depois que as autoridades congelaram seus ativos mediante a lei de segurança nacional imposta em 2020 por Pequim e detiveram sete funcionários e diretores, alguns já aposentados, por publicarem conteúdo “sedicioso”.Dois editores foram indiciados e continuam sob custódia. Chan teme terminar como eles.”Seremos os próximos?”. A dúvida paira nas redações de jornais locais e também de alguns internacionais, nesta cidade outrora considerada símbolo da liberdade de imprensa na região.”Supõe-se que nós jornalistas dizemos a verdade ao poder”, afirma à AFP Lokman Tsui, ex-professor de jornalismo na Universidade Chinesa de Hong Kong e atualmente na Holanda.”Agora, a verdade é subversiva em Hong Kong”.- “Clima de medo” -A China continental é um dos lugares mais opressivos do mundo para os jornalistas. Os jornais locais são rigidamente controlados pelo Estado e os movimentos dos correspondentes estrangeiros são fortemente restringidos.A chefe do Executivo de Hong Kong, Carrie Lam, nega energicamente a repressão contra a imprensa e afirma que as autoridades só estão aplicando a lei.Após os fechamentos de Stand News e Citizen News, alegou que os países ocidentais possuem leis de segurança nacional “muito mais draconianas”. Mas não deu exemplos de que essas leis tenham sido usadas contra a imprensa.Um ex-editor do jornal independente InMedia afirma que há “um clima sem precedentes de medo no setor”. “É difícil avaliar o risco”, disse em anonimato.Até agora, a lei de segurança nacional não foi aplicada em veículos da mídia internacional, mas o governo de Hong Kong está cada vez mais crítico com suas coberturas.Vários veículos têm sua sede asiática em Hong Kong, como AFP, Bloomberg, The Wall Street Journal, CNN e The Economist.Desde novembro, as autoridades publicaram 13 cartas a veículos estrangeiros em inglês, francês ou espanhol, majoritariamente por editoriais que não agradaram o governo.As cartas ao The Wall Street Journal ou ao britânico The Sunday Times continham advertências de uma possível violação da lei de Hong Kong.