Nada justifica ‘voos vazios’, segundo aeroportos europeus

Paris (AFP) – As companhias aéreas não têm motivos para voar com aviões vazios na Europa como condição para preservar seus direitos aeroportuários, disse nesta quinta-feira (6) a associação que representa os aeroportos do continente.A regulamentação europeia prevê que as empresas devem utilizar pelo menos 80% dos direitos de descolagem e aterrissagem que lhes são atribuídos nos aeroportos, sob pena de perder os seus direitos na temporada seguinte, caso não o façam.Essas regras tornaram-se inaplicáveis pela crise de saúde que causou o colapso do tráfego aéreo desde março de 2020.A norma ficou mais flexível com a pandemia e a partir de 28 de março de 2021 as empresas podem utilizar 50% de seus slots de decolagem e pouso.  Mas o nível é considerado excessivo pelo setor de aviação, novamente atingido pelo surgimento da variante ômicron do vírus.O presidente executivo do grupo Lufthansa, Carsten Spohr, alertou em 23 de dezembro que seria forçado a fazer “18.000 voos inúteis” durante o inverno “apenas para preservar seus direitos de decolagem e pouso”.”Apesar de nossas demandas incessantes por maior flexibilidade, a UE aprovou uma regra de utilização de 50% (…) claramente irreal”, declarou à AFP um porta-voz da Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata) na quarta-feira, que representa a grande maioria das empresas.As organizações de aeroportos já tiveram trocas difíceis com a Iata nos últimos meses, principalmente no que se refere às taxas que os aeroportos recebem das empresas por cada pouso e decolagem, em um contexto de problemas financeiros para o setor.