Início Destaque “Não vamos entrar na Ucrânia, nem no espaço aéreo, nem em solo”,...

“Não vamos entrar na Ucrânia, nem no espaço aéreo, nem em solo”, afirma Otan

“Não vamos entrar na Ucrânia, nem no espaço aéreo, nem em solo", afirma Otan | Foto: Reprodução

Após reunião dos países membros da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), o secretário-geral da aliança militar, Jens Stoltenberg, afirmou nesta sexta-feira (4) que os 30 países membros mantêm a decisão de não entrar na Ucrânia por receio da situação piorar. A Otan apoia a Ucrânia desde 2014, com treinamento militar e fornecimento de armamentos, porém, como o país não faz parte do bloco, a decisão é de que a aliança militar não participe ativamente na guerra.
“Nós já deixamos claro que não vamos entrar na Ucrânia, nem no espaço aéreo, nem em solo. Se nós fizéssemos uma zona de exclusão aérea, teríamos que mandar aviões nossos e derrubar aviões russos. Nós entendemos o desespero [da Ucrânia] mas também acreditamos que se fizéssemos isso, levaríamos a uma guerra total na Europa, envolvendo muito mais países e causando muito mais sofrimento. É muito dolorosa essa decisão. Nós impusemos sanções severas e aumentamos o apoio, mas não podemos participar diretamente do conflito”, explicou Stoltenberg.
O presidente ucraniano Volodymyr Zelensky cobrou a Otan, uma zona de exclusão aérea onde aviões de outros países pudessem ajudar o exército ucraniano a defender o país, mas os membros da aliança militar temem que essa medida possa, então, gerar uma guerra nuclear. 
“Não devemos ter aviões no espaço aéreo nem tropas na Ucrânia”, disse Stoltenberg.
O artigo 5º da Carta da Otan afirma que, se um país da aliança for atacado, todos os outros países irão se envolver como resposta. 
Stoltenberg afirmou que a Otan precisa ser pragmática e que o princípio da aliança é de defesa. “A Otan só agirá para se proteger”, disse, lembrando que 1 bilhão de cidadãos vivem nos países do bloco.
Stoltenberg ainda ressaltou que a Otan defende uma solução pacífica e diplomática e reforçou os pedidos para, que Vladimir Putin possa aceitar um diálogo para reduzir as tensões e encontrar um término para o conflito.

Estúdio Ao vivo
Sair da versão mobile