Genebra (AFP) – Mais de um terço da população mundial, ou seja, 2,9 bilhões de pessoas, não tem conexão com a Internet, embora a pandemia tenha demonstrado a importância crucial da rede para continuar trabalhando ou estudando, de acordo com a ONUCerca de 4,9 bilhões de pessoas estiveram conectadas à Internet este ano, de acordo com os dados coletados pela União Internacional de Telecomunicações (UIT) e publicados nesta terça-feira (30). São 800 milhões de pessoas a mais do que antes da pandemia.A luta contra a covid-19 forçou o fechamento de muitas empresas e escolas às vezes durante meses, e obrigou funcionários e alunos que poderiam fazê-lo, usar a internet para trabalhar e estudar.Mas o acesso permanece desigual. 96% das pessoas excluídas vivem em países em desenvolvimento.E para centenas de milhões de pessoas que têm acesso à rede, compartilham seus dispositivos e/ou só têm baixa velocidade, o que limita drasticamente o que eles podem fazer na internet.”Ainda há muito a ser feito”, segundo o secretário-geral do UIT, Houlin Zhao.O aumento excepcionalmente alto no número de usuários revela que a pandemia impulsionou as pessoas a se conectarem mais.Desde 2019, 782 milhões de pessoas passaram a acessar a Internet, o que significa um aumento de 17%. A alta é de 10% para o primeiro ano da pandemia, o maior avanço anual “em uma década”, de acordo com a UIT.Muitas pessoas também enfrentam com problemas como a pobreza, a falta de eletricidade ou conhecimento digital.A diferença no acesso à internet entre homens e mulheres diminuiu: 62% dos homens estão conectados e 57% de mulheres.