Início Esportes Presidente da CBF, Rogério Caboclo é afastado do cargo após denuncia de...

Presidente da CBF, Rogério Caboclo é afastado do cargo após denuncia de assedio sexual

Confira o áudio gravado pela funcionaria , onde Rogério faz insinuações sexuais.

A funcionária já sofria com comentários desrespeitosos e insinuações da parte do presidente da CBF há mais de um ano, os mesmo geralmente eram feitos na frente dos demais diretores do órgão.

Na noite de 16 de março de 2021, Rogério Caboclo, à convidou para sua sala no segundo andar da empresa, e pediu para que ela tirasse a máscara para que bebesse uma taça de vinho com ele, com tal situação a funcionária mandou mensagem para dois diretores da CBF, para que fossem ajudá-la, no entanto um deles já havia saído do prédio, mas o outro companheiro de trabalho foi ao seu socorro, e inventou um pretexto para entrar na sala. Com a situação, a funcionária aproveitou e saiu do ambiente.

A situação não parou. Após a saída do diretor, Rogério chamou a funcionaria novamente para sua sala, foi aí que a mesma resolveu gravar todo o ocorrido. O presidente começa a falar de forma obscena da sua relação com sua esposa, e em seguida pergunta para a secretaria, “você se masturba?”

Confira a reportagem feita pelo Fantástico, onde é mostrado todo que foi dito pelo presidente da CBF: globoplay.globo.com/v/9579910/

Oferta de biscoito de cachorro

Isso ocorreu uma semana depois da cena de assédio, na casa de Rogério Caboclo, localizada em São Paulo. Ele teria convidado os funcionários para sua residência, após muito consumo de bebida alcoólica, ele teria oferecido um biscoito de cachorro para fracionária e chamado ela de “cadelinha”.

A situação deixou a secretaria muito ofendida, e no dia seguinte ela foi tirar satisfação com o presidente, e afirmou que nunca tinha se sentido tão humilhada, depois da declaração Caboclo disse que não se intrometer mais em sua vida pessoal, mas que ela não poderia manter contato com os demais diretores da CBF.

Na mesma conversa, o dirigente teria afirmado para a funcionária que as roupas de trabalho dela não eram compatíveis com a função. De acordo com a denúncia, teria então exigido que ela mudasse a maneira de se vestir, e afirmado que providenciará o dinheiro para a compra de novas roupas. Para a funcionária isso teria sido uma demonstração de misoginia.

No dia 9 de abril, ela pediu licença da empresa por motivos de saúde. Logo após seu afastamento, deu início a negociação entre Rogério Caboclo e a funcionária para abafar o caso. De acordo com a denúncia feita ao Conselho de Ética da CBF, ele exigiu que ela desse declarações falsas a jornalistas e assinasse um documento desmentindo os ocorridos. Porem ela recusou.

Nota de defesa enviada ao ge (Globo Esporte)

“Rogério Caboclo nega veementemente ter cometido qualquer ato de assédio. Embora ele reconheça que houve brincadeiras inadequadas e excesso de intimidade, é preciso deixar claro que essas decorreram do fato de que havia uma relação de amizade entre ambos, que a denunciante esteve várias vezes na casa dele, convivia com sua família e que ambos conversavam com frequência sobre assuntos de natureza pessoal. Mas jamais ele se aproximou fisicamente da denunciante, menos ainda fez qualquer movimento ou proposta no sentido de se aproveitar de forma libidinosa dela.

A denunciante omite o fato de que, por várias semanas, negociou acordo em torno da questão, e até constituiu advogado para tanto, tendo feito pedido inicial de 12 milhões de reais, em troca da não divulgação da gravação. Estranhamente, acabou por fazer a denúncia, três meses após a data em que realizou a gravação, e em dia de jogo oficial da Seleção Brasileira. Minutas de acordo foram comprovadamente trocadas, mas, ao que parece, ao final, a denunciante não se contentou com seus termos.”

A defesa da funcionária rebateu dizendo que nunca ouviu um pedido da sua parte, mas sim uma oferta que foi recusada por ela.

Afastamento de Caboclo da CBF

Após dois anos no cargo de presidente, Rogério Caboclo enfrenta a pior fase, além das investigações por assédio, ele estaria em atrito com o técnico da seleção brasileira de futebol (Tite) e também com os jogadores, devido a posição contrária sobre a Copa América ser sediada no Brasil.

A CBF está sofrendo pressão de seus patrocinadores por uma solução para o caso. Além disso, o diretor de Governança e Conformidade da CBF, André Megale, enviou um e-mail para Caboclo, que sugeria seu afastamento. Os demais diretores e vice-presidentes da entidade também pediram que ele saísse de cena. Rogério Caboclo se recusava. Até que uma decisão da Comissão de Ética resolveu a questão.

Nessa segunda acontecerá uma reunião entre diretores e vice-presidentes para discutir o futuro da entidade, e os destinos do futebol brasileiro.

Estúdio Ao vivo
Sair da versão mobile