Primeiras gêmeas a fazer procedimento cirurgico de readequação de sexo em SC

Em Blumenau, no Vale do Itajaí, duas gêmeas de 19 anos realizaram cirurgia de readequação de sexo. O hospital informou que a cirurgia de uma delas terminou na noite de quarta-feira, 10. A outra irmã foi operada na quinta, 11. Elas nasceram com o sexo biológico masculino, mas desde antes da maioridade, discutiam a transição para o feminino.

Para o processo de readequação, antes de realizar a cirurgia, o paciente precisa ser acompanhado de forma multidisciplinar por aproximadamente dois anos.

As gêmeas passaram pela cirurgia na rede particular, mas o procedimento é disponível pelo Sistema Único de Saúde (SUS). A espera no país para iniciar o processo pode levar até cinco anos.

Segundo o hospital, as gêmeas tiveram acompanhamento psicológico e orientações médicas. Ambas começaram o tratamento hormonal por volta dos 15 anos.

Segundo o hospital, a cirurgia feita na quarta-feira durou cinco horas, mesmo tempo que o procedimento da irmã, realizado nesta quinta. As duas estão de repouso no mesmo quarto e deverão ficar internadas por três dias.

Os médicos José Carlos Martins Junior e Cláudio Eduardo, especializados em cirurgia trans e feminização facial, foram os responsáveis pelo procedimento cirúrgico realizado no Hospital Santo Antônio. De acordo com a unidade, as gêmeas são as pioneiras a passar por esse tipo de procedimento no País.

Sobre a Lei

No ano de 2020, foram aprovadas novas regras para a cirurgia de transição de gênero pelo Conselho Federal de Medicina (CFM). A resolução favorece o acesso à cirurgia e também ao atendimento básico para transgêneros.

A norma reduziu de 18 para 16 anos a idade mínima para o início de terapias hormonais e define regras para o uso de medicamentos para o bloqueio da puberdade. Estão proibidos procedimentos cirúrgicos envolvendo readequação de gênero antes dos 18 anos.