Situação de Peng Shuai segue preocupando a WTA

Paris (AFP) – Uma semana após o reaparecimento público de Peng Shuai, Steve Simon, o presidente do WTA, o circuito profissional de tênis feminino, disse no sábado (27) que continua “muito preocupado” com a liberdade dela, após acusar um importante líder do país de forçá-la a fazer sexo.Como uma porta-voz da WTA disse à AFP neste sábado, Simon “continua muito preocupado com a liberdade de Peng de sofrer censura e decidiu não contatá-la novamente por e-mail até que tenha certeza de que suas respostas são pessoais e não de seus assessores.”- ‘Respostas influenciadas’ -“Steve Simon entrou em contato com Peng Shuai por meio de diferentes canais de comunicação. Ele lhe enviou dois e-mails, mas estava claro que suas respostas foram influenciadas por outras pessoas”, explicou a porta-voz.Este assessor não quis comentar, em vez disso, uma informação da BBC, baseada em declarações de uma “amiga” do jogador, segundo a qual ela teria enviado um e-mail a Steve Simon, agradecendo a sua preocupação, mas pedindo-lhe que não para intervir e deixá-la “quieta”.A atleta de 35 anos, bi-campeã em Roland-Garros em 2014, postou uma longa mensagem na rede social chinesa Weibo no início de novembro sobre seu relacionamento com o ex-vice-premiê Zhang Gaoli, 75.Neste texto em forma de carta aberta, rapidamente censurada pela internet chinesa, Peng Shuai fala sobre seus sentimentos pela ex-líder, aposentada desde 2018, e o reprova por tê-la forçado a uma relação sexual há três anos.Depois disso, ela desapareceu totalmente das redes sociais por vários dias. A ONU, vários países ocidentais, incluindo Estados Unidos, França ou Reino Unido, e numerosos tenistas de renome mundial, de Chris Evert a Novak Djokovic, pediram à China explicações sobre o seu paradeiro e estado de saúde.Finalmente, a tenista reapareceu no último fim de semana em um torneio de tênis organizado em Pequim e em um restaurante, em imagens divulgadas pela mídia oficial chinesa e conversou com o presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI) por videoconferência.De acordo com o COI, Peng Shuai explicou que estava “sã e salva em sua casa em Pequim, mas que queria que sua vida privada fosse respeitada”.O caráter oficial e cauteloso de suas declarações e aparições – o chinês Li Lingwei, membro do COI, esteve presente na videoconferência – não parece ter tranquilizado o movimento de apoio à jogadora.- Reação de Pequim -Na terça-feira, Pequim finalmente reagiu oficialmente, o que é excepcional porque a diplomacia se recusou a comentar o caso, afirmando que ele não pertencia à esfera diplomática.Questionado sobre o impacto da polêmica na imagem da China, um porta-voz, Zhao Lijian, reagiu brevemente em uma reunião com a imprensa.”Acho que alguns precisam parar de exagerar e politizar deliberadamente e malévolamente essa questão”, disse ele.Zhao não entrou em detalhes sobre a quem ele estava se dirigindo com suas afirmações.Um dia depois, a União Europeia solicitou “provas checáveis” da liberdade de movimento da tenista e uma investigação “transparente” das suas alegações sobre o abuso sexual de que afirma ter sido vítima.”Continuamos a pedir ao governo chinês que forneça uma prova independente e verificável do bem-estar e do paradeiro da tenista. Esperamos que em breve ela possa retomar suas atividades esportivas e não esportivas”, disse Nabila Massrali, porta-voz da UE diplomacia, escreveu em mensagem à AFP.