Zelensky diz que número de civis mortos pode ser ainda maior em outras cidades

Zelensky diz que número de civis mortos pode ser ainda maior em outras cidades | Foto: Reprodução

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, fez um pronunciamento nesta segunda-feira (4), onde afirmou que o número de civis mortos pode ser muito maior em Borodyanka e em outras cidades ucranianas libertadas das tropas russas do que em Bucha.

“Já há informações de que o número de vítimas dos ocupantes pode ser ainda maior em Borodyanka e algumas outras cidades libertadas. Em muitas aldeias dos distritos libertados das regiões de Kiev, Chernihiv e Sumy, as tropas inimigas fizeram coisas que os habitantes locais não tinham visto nem mesmo durante a ocupação nazista há 80 anos. Os ocupantes definitivamente terão responsabilidade por isso”, disse Zelensky.

Na cidade de Bucha, Zelensky afirmou que mais de 300 pessoas foram mortas pelas tropas russas, mas que o número total de vítimas civis provavelmente aumentará à medida em que toda a cidade for vista.

O presidente ucraniano ainda destacou a importância da imprensa neste momento de guerra e dos jornalistas documentarem as consequências nas cidades ucranianas libertadas das tropas para que todos saibam o que fez.

“Nós fornecemos acesso máximo para jornalistas a Bucha e outras cidades libertadas da Ucrânia. Para centenas de jornalistas de todo o mundo. E estamos interessados em ter milhares de jornalistas lá. O maior número possível! Para o mundo ver o que a Rússia fez”, disse ele.

O líder da Ucrânia disse que a Rússia vai tentar não deixar vestígios da violência em Bucha e em outras cidades. Ele ainda repetiu seu apelo para receber mais armas para ajudar a combater as forças russas.

“Enfatizo mais uma vez: a Ucrânia deve obter todas as armas necessárias para expulsar os ocupantes de nossas terras o mais rápido possível, para libertar nossas cidades. E se já tivéssemos o que precisávamos — todos esses aviões, tanques, artilharia, armas antimísseis e antinavio, poderíamos ter salvado milhares de pessoas”, disse.